segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Luz


Inquieta, na ansiedade própria de quem espera, olho uma vez mais o relógio, como se o gesto apressasse a tua chegada. Parecem arrastar-se sem pressa esses ponteiros que ditam o início e o fim dos dias, indiferentes à inquietude que me faz parecer fraca e frágil e completamente dependente da tua presença. Não sei que fazer para contornar este sentimento que me domina e este aperto no coração face à tua ausência, quando tudo o resto é nada e o vazio se instala e torna frios e cinzentos os dias. E eis que chegas e, num abraço, desvaneces as nuvens que encobriam a luz e tornas radiante um dia pardacento.

Sem comentários:

Enviar um comentário