terça-feira, 29 de setembro de 2015

Prometeste envelhecer a meu lado


Prometeste envelhecer a meu lado. Não consigo deixar de pensar que prometeste envelhecer a meu lado. De que valem as palavras se as proferimos levianamente, qual bolas de sabão sopradas ao vento? Não se deve prometer o que não sabemos ser capazes de cumprir, já devias saber. Mesmo assim prometeste. E eu acreditei que iria chegar ao Outono da vida contigo a meu lado. Mentiste-me, iludiste-me, enganaste-me. Odeio-te por isso. Onde estás tu quando os meus passos vacilam e as nuvens negras baixam sobre a minha cabeça, pesando-me sobre os ombros? Prometeste envelhecer a meu lado, lembras-te? Deixaste-me a percorrer sozinha esse caminho desenhado para ser trilhado a par. Resta-me o consolo de que não foi tua a escolha e deixo o sol entrar porque sei que és tu para me dar um abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário