segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Vazio


Ainda que a despedida tenha sido um “até já”, a sua ausência deixou um vazio gigantesco, como se faltasse uma peça na engrenagem, tornando pesados os dias, que se arrastam agora quanto dantes fugiam. Habituara-se à sua presença e às rotinas que deliciosamente partilhavam, tornando especiais as coisas e os momentos mais banais. Ela deu-lhe o seu coração e ele tomou-o com a maior das delicadezas, sabendo que não a poderia fazer sofrer, quando ela carregava ainda as marcas de um passado amargurado. Conquistou-o o entusiasmo com que ela encarava a vida, aproveitando cada dia como se fosse o último, e a audácia com que combatia as adversidades.
Foi um “até já” mas o amanhã é ainda tão longínquo. 

Sem comentários:

Enviar um comentário