quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Vento


Ouves o vento a soprar, desejoso de invadir cada porta e janela fechadas? Parece que anda perdido, sem norte, à procura de um lugar para se abrigar. Corre como louco, não se percebe para onde quer ir. Ora rebola pelo chão, atirando pelo ar as folhas amarelecidas de um Outono ainda a fazer-se anunciar, ora se eleva ao mais alto dos arranha-céus, desafiando a mais resistente das edificações. Brinca com os cabelos como a fazer pirraça, atrevido levanta saias e vestidos, assobiando a cada esquina. Provoca, desafia.
Gosto do vento, sabes? Às vezes esmorece, mas, num abrir e fechar de olhos, revela toda a sua força. Impõe-se, faz-se respeitar. Acho que nesses dias também quer sacudir os corpos e as mentes amorfas.

Sem comentários:

Enviar um comentário