quarta-feira, 17 de março de 2010

Nostalgia


Perdi a conta aos anos que te conheço
Um dia chegaste de mansinho, sem te fazeres anunciar, e eu abri-te a porta
Vieste uma e outra vez e eu recebi-te sempre, sem reservas, como acontece com os amigos
Sem dia nem hora marcada irrompias por aí adentro e ficavas a fazer-me companhia, às vezes tempo demais… agora percebo que era tempo demais
Os anos foram passando e continuamos a encontrar-nos e à força de tanto privarmos é como se fosses já parte de mim
Mas hoje, lamento dizer-te, hoje não quero a tua companhia, cara nostalgia

Sem comentários:

Enviar um comentário